11.1.13

filhos jamais

Não tenho filhos — e jamais os terei. Decisão tomada quando eu tinha apenas doze anos. Foi com essa idade que eu cheguei à conclusão que jamais seria um tradicional "chefe de família". Acabei concluindo que ser um bom pai e amante da liberdade — ao mesmo tempo — são coisas mutuamente excludentes. Hoje penso que ter filho é um risco para mim desnecessário. Não quero corrê-lo. Entretanto, se por desventura mudar de ideia ou se por acidente tiver um, sei que serei um bom pai. Um ótimo pai! Porém, caso venha a tê-lo, vou preferir um filho criativo a um filho bem-comportado. Porque não dá pra ser as duas coisas ao mesmo tempo...
Continua aqui.

Este texto sobre não ter filhos gerou muita polêmica, algumas por e-mail (16) e até duas bem maliciosas... Mas, compreendo as razões de todas essas manifestações. Por isso, vou aproveitar para ampliar o meu raciocínio sobre o tema, abrindo inclusive a possibilidade de eu vir a ter um filho, assim que encontrar a Mãe que suponho ideal. Essa mulher, é claro, também deverá me achar ideal... rs! E tem que aceitar, indiscutivelmente, o nome da criança, que já escolhi. Será o primeiro nome com vírgula a ser registrado nos cartórios do Brasil. O nome será: Eu, Leonardo da Vinci Marques dos Espíritos Santos. Mais o sobrenome da Mãe. Esse filho é a minha ideia 301. Veja na caixa de comentários.